De João Batista do Lago

 

Cravejo-me de possibilidades
No emaranhado ser que me unge:
Entre anjos e demônios
Vasculho identidades

E vago entre sedes dispersas
Pelas veredas que nada possibilitam
Beber a água primeira
E assim matar toda minha sede diversa

Anúncios